As Tatuagens dos Coptas

 Hoje em dia as tatuagens ganham mais adeptos. Até pouco tempo era uma marca antissocial que poucos ousavam ter.  O Objetivo desse post não é incentivar o leitor a se tatuar, mas em trazer um bela história de fé que ocorreu com alguns cristãos, em especial os “Coptas”.

A palavra “Copta” significa “cristão egípcio”, são egípcios cujos ancestrais abraçaram o cristianismo no século I. 

A palavra “copta” foi usada originalmente no árabe clássico para se referir aos egípcios em geral, porém passou por uma mudança semântica ao longo dos séculos, e passou a se referir mais especificamente aos cristãos egípcios depois que a maior parte da população egípcia se converteu ao Islã (após o século VII). Atualmente, o termo é principalmente aplicado aos membros da Igreja Ortodoxa Copta, independente de sua origem étnica; assim, cristãos etíopes e eritreus (bem como núbios, até sua conversão ao islã) eram tradicionalmente chamados de coptas – embora este costume esteja sendo abandonado gradualmente, desde que as chamadas Igrejas Tewahedo Etíope e Eritreia passaram a ter seus próprios patriarcas e a ser independentes em relação à Igreja Ortodoxa Copta.

Sendo uma minoria em sua própria terra, os cristãos egípcios levavam sua fé ao extremo e, quando os árabes invadiram o Egito devido a sua proximidade estratégica com o Império Bizantino, os coptas se recusaram a converter-se ao Islã.

Jovem Egípcio com uma tatuagem de cruz em seu pulso.

Nesse período, em que os cristãos se tornaram uma minoria perseguida, uma prática copta emergiu: a tatuagem. Os primeiros indícios da tatuagem entre os coptas data do século VIII, quando monges egípcios começaram a marcar suas mãos com símbolos cristãos por meio de queimaduras. Acredita-se que essa prática veio dos cristãos etíopes, que marcavam suas testas, têmporas e pulsos com cruzes, também por meio de queimaduras. Representando seu compromisso com a religião, essas queimaduras simbolizavam os estigmas/as chagas do próprio Cristo e, em épocas de perseguição, eram amuletos de força para quem as ostentava.

Os anos de 1250 até 1517 foram um período difícil para os poucos que permaneceram cristãos no Egito. A tatuagem da cruz copta, desde então, tornou-se uma tradição e uma forma de distinção num país em que eram minoria.

 

 

Os cristãos egípcios, conhecidos como coptas, têm o hábito de tatuar cruzes no pulso ou na mão quando chegam à adolescência. A tatuagem, feita tanto por mulheres como por homens, é uma marca de identidade mas serve também uma função protetora, pois dificulta o rapto e conversão forçada de crianças e mulheres, como já tem acontecido no passado.

Lhe recomendo ler esta noticia de um jornal de Portugal: https://rr.sapo.pt/noticia/103057/cristao-morto-no-egipto-por-tatuagem-de-cruz-no-pulso

 

Uma Cristã Etíope com a tatuagem de uma cruz na testa.

Para alguns cristão do ocidente que se tatuaram com mensagens bíblicas, ou símbolos da fé Cristã apenas por estar na moda ou por estética, os cristãos do oriente se tatuavam com um propósito de resistência por causa da perseguição que sofriam por serem cristãos. É interessante notar que muitos cristãos abandonam a fé por causa das perseguições e chegam a negar a Cristo diante do perigo iminente da morte, abandonando suas igrejas, bíblias, ou qualquer indício que os ligariam a fé cristã; por outro lado, os coptas etíopes chegavam a tatuar na própria testa uma cruz para deixar bem visível a todos os perseguidores que eles são cristãos e que jamais negariam sua fé! Enquanto muitos cristãos tem vergonha de andar com suas bíblias nas ruas, ou expressar sua fé publicamente! O que torna a resistência um paradoxo entre as comunidades cristãs do ocidente e do oriente.

Lembrando que este post não é para lhe encorajar a tatuar uma cruz em sua testa, mas para fortalecer sua fé em Cristo! Muitos cristão foram ao extremo para defender sua fé  e, para não perder sua identidade cristã.  Que o Senhor nos ajude a proclamar a nossa fé em Cristo sem timidez! Que as marcas de Cristo em nossas vidas sejam visíveis ao mundo!

“Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus”. (Gl 6.17)

pr. Clóvis Fernandes

 

 

Uma criança coopta etíope com uma tatuagem de cruz .

Cristã Etíope.

 

fonte:https://www.christianitytoday.com/history/2009/march/tattoos-of-cross.html

Siga-nos! Compartihe!
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RSS
Seguir por Email
Facebook20
Facebook
Twitter
YouTube20